quarta-feira, 4 de junho de 2014

FOME DE VIDA

A fome que digo
É dessas:
Brilho no olhar de menino
Vibrante, na arena de um circo...
Pés enterrados, absortos...
Na areia branquinha...
Essa gana que digo,
É dessas que os bichos famintos
Literalmente
Tiram da boca,
Protegem sua cria...

No sincronismo da dança
Na fala do instrumento afinado
No riso estampado 
Na face de toda criatura pensante 
E só...
Carente 
De afago e alimento...
E todo aquele que perambula,
Sem gota alguma de compaixão
E o que dizer da fome de se amar...
Como se este fosse o último gesto da vida...

De dentro pra fora,
De fora pra dentro,
Zelo pela alma
Com toda força
Do sentimento


liza leal

14 comentários:

  1. Uma das quatro origens para as temidas guerra mundial e propagação de pestes é a fome. Contudo, antes da fome de alimento, tal risco se dá pela fome de amor, produto que está em falta em todas as prateleiras do mundo. Nas prateleiras das casas, das fábricas, das faculdades. O único produto que sobra no mundo é egoísmo. E ele, definitivamente, não mata a fome nem do dono, que quanto mais se alimenta de egoísmo, mais fome tem. Teu poema é belo. Ele sugestiona em nós um pouco de fome de amor, mas muito mais da fome de amar. Beijossssssssss

    ResponderExcluir
  2. É aquela tal fome que - tal Esfinge - nos devora... hehe! Lindão, Liza-Cat!
    Mutchas gracias pelas tua palavras no meu níver... tenha certeza que a recíproca é verdadeira... gosto muito desse teu astral que #superbate com o meu! Hehehe! Beijocas!

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde, Liza. Com todo prazer venho dizer, que o seu blog está em minha lista.
    Adoro seus poemas, seu jeito de escrever, assim sendo, não perco atualização alguma, esperando serem frequentes e regulares para o nosso deleite.
    Sede de amar, como é importante isso.
    Amar em todos os sentidos, em várias direções, não deixando com que a alma esmoreça, triste, talvez, mas não a ponto de haver desistência de si mesma, ao contrário, toda fome tem de ser saciada.
    Beijos na alma e paz!

    http://redescobrindoaalma.blogspot.com.br/ (blog pessoal)

    http://refugio-origens.blogspot.com.br/(blog onde escrevo nos dias 09 e 23 de cada mês)

    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  4. Não perca nunca essa fome!!!!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. "Madame Betty Arranca-Olho" ficou maléfico na medida, meu bem! Hahaha! Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Carente de afago e alimento
    que mutila a lucidez.
    Um grito único que ressoa dentro do peito
    e não devolve o eco
    que só o coração ouve...

    Beijos, Lizaaaa...***
    AL

    ResponderExcluir
  7. Eis uma fome que carrego ainda comigo. Nem devemos perder essa fome, ou seja, essa vontade de VIVER. Linda poesia, amiga. Beijinhos estalados.

    ResponderExcluir
  8. Lindo é este teu texto! Não há melhor fome do que a de viver. Com muita paixão, se possível.

    Beijinho *

    ResponderExcluir
  9. Oi, Liza. Quantas saudadesss!!! e que poesia linda, li em voz alta, um deleite. Andei sumida mesmo, mas muito obrigada por não me esquecer e visitar meu cantinho. Bjs, muitos bjs.

    ResponderExcluir
  10. #PartiuIrã!!! Hahahaha! Ótimo fds pra ti, cat-guria!

    ResponderExcluir
  11. Há fomes que são saudáveis...
    Mais um excelente poema. Do princípio ao fim.
    Tem um bom fim de semana, querida amiga Liza.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Muito bom. Setia uma bela ilustração da foto da mulher que toca guitarra...
    Porque a vida quere-se assim: em dádiva e dom...

    beijo amigo

    ResponderExcluir
  13. Boa noite! Cheguei até aqui a convite de uma amiga em comum, Patricia Pinna, pelo Facebook! Parabéns pelo seu espaço e pela sua poesia! Ambos são lindos! Carinhoso abraço! Uma noite de paz!
    Elaine Averbuch
    https://www.facebook.com/elaine.averbuch
    https://www.facebook.com/elaineaverbuckneves?ref=hl

    ResponderExcluir